Eu Conserto Tudo (I Fix Everything)

Nessa corrida de fim de ano  não tive nem tempo de mandar uma mensagem de natal adequada sobre tudo o que eu desejo para meus amigos, familiares, alunos, pacientes, leitores do blog e……… Como hoje é o último dia de 2011 ainda dá tempo de escrever umas palavrinhas. Em primeiro lugar eu gostaria de agradecer a Deus por tudo o que me aconteceu este ano, pela saúde dos meus familiares, pelas oportunidades no ITC (onde sou supervisora), Instituto Beck,  Congresso na Turquia, pelas pessoas que conheci e começaram a fazer parte da minha vida e tudo o mais…. Penso que Deus nos dá as oportunidades sempre, mas que muitas vezes nós mesmos com os nossos pensamentos disfuncionais é que as deixamos passar por não as termos percebido.

Ao longo deste ano falei muito da importância dos nossos pensamentos e de como eles nos afetam para o bem ou para o mal. Se pensamos que nada dá certo, como vamos criar a possibilidade de conseguir o que queremos? Pensar pode ser uma escolha sim! É claro que não comandamos conscientemente os nossos pensamentos automáticos, pois eles são fruto dos nossos esquemas e crenças mais internos, mas se eles forem negativos e disfuncionais podemos desafiá-los e desistir de reforçá-los, criando uma forma alternativa de pensamento. Constatar que é natural que nem tudo o que desejamos dê certo ajuda a não nos culpar e punir pelos fracassos e isso não significa que “nada” dá ou dará certo para nós. Podemos planejar e fazer acontecer, mesmo que tenhamos algumas pedras no caminho. Este curta de 5 minutos, que foi dirigido pelo meu irmão Marcelo, ganhou o prêmio de melhor filme no concurso 100 hours film racing deste ano, e nos faz pensar sobre as nossas escolhas.  Podemos esperar que o mundo nos resgate, que as pessoas nos demonstrem amor da maneira como esperamos ser amados, ou podemos direcionar os nossos esforços à nossa capacidade de amar, de buscar e oferecer  ajuda quando necessário. O menino do filme em questão não fica esperando, ele parte para a ação. No caminho ele encontra obstáculos, mas não se deixa levar pelos imediatismo e foca no seu objetivo.  O que o outro nos fará não pode ser controlado por nós, portanto se ficarmos a espera morreremos esperando. Por outro lado, o que faremos aos outros depende exclusivamente de nós e dos nossos atos.  Doar amor, tempo, solidariedade, compaixão nos trás alegria e bem estar e cura as nossas dores e sofrimentos. Ser útil  e desprendido na grande maioria das vezes nos trás reconhecimento, admiração e amor dos outros, mas isso só acontece se fazemos de coração sem esperar o reconhecimento do outro.

Desejo a todos um 2012 maravilhoso, repleto de alegria, realizações e principalmente novos e bons pensamentos. Vamos começar 2012 agradecendo por 2011, mesmo que ele tenha sido um ano difícil. Vamos criar novas metas, mas não metas –desejo  e sim  metas reais que possam ser cumpridas. Vamos focar nos nossos objetivos e criar pensamentos que nos ajudem a realizá-los dispostos a mudar a nossa forma de pensar, sem nos amedrontarmos com os empecilhos.  Quem sabe assim poderemos “consertar tudo” no mundo, no nosso mundo?

FELIZ 2012!

Renata Borja

Gostou? Compartilhe
Publicado em Blog | 6 comentários

É Possivel prevenir a ansiedade?

Por: Renata Borja. Artigo publicado no Estado de Minas no dia 1 de outubro de 2011- Opinião- Caderno principal página 9.

Diante de tanta intolerância, violência e catástrofes naturais, a ansiedade é um mal que nos torna cada vez mais vulneráveis. Segundo a OMS cerca de 10 milhões de pessoas no Brasil sofrem com o transtorno de ansiedade, doença gerada pelo grau mais evoluído do sentimento. E um alerta: quando não controlada a doença pode gerar outras doenças psicossomáticas.
Os homens têm buscado incansavelmente respostas para as angústias internas, no amor, no dinheiro, no poder ou no sucesso profissional, como uma alternativa de tentar controlar o que é incontrolável. É comum encontrarmos pessoas que possuem crenças a respeito do ato de se preocupar, pensando que isso previne o erro ou a falha. Entretanto esta tentativa de controle, caracterizada como principal sintoma do transtorno de ansiedade, acontece como uma resposta de previsibilidade de eventos a fim de se evitar o sofrimento, contribuindo para a manutenção da ansiedade. Essas crenças chamadas de meta cognição, no entanto, acabam por dificultar o tratamento do paciente, afinal a ansiedade está vinculada à forma como interpretamos os fatos.
Na maioria das vezes a pessoa se torna ansiosa por ter se percebido vulnerável frente a alguns acontecimentos ou traumas ocorridos na infância. Apesar dos acontecimentos não determinarem os sentimentos e comportamentos, algumas situações podem colaborar para a experiência da ansiedade. Pais preocupados e superprotetores, pais que fazem com que os filhos troquem de função com eles, pais omissos, pais que desprezam as emoções ou que se afastaram ou não reconheceram seus filhos podem muitas vezes influenciar o psicológico da criança fazendo com que ela se sinta vulnerável, passando assim, a desenvolver algum tipo de transtorno de ansiedade na fase mais adulta. Em outras situações a experiência da ansiedade pode até mesmo resultar em respostas fisiológicas como sudorese,taquicardia, dificuldade respiratória, tremores, etc.
Por isso, é preciso atenção e acompanhamento psicológico para que a pessoa consiga lidar com a ansiedade. Não podemos deixar de ponderar que estes fatores só resultarão numa ansiedade caso o sujeito tenha se sentido vulnerável frente a essas situações.
Outro fator que colabora para a manutenção e instalação da ansiedade é que, apesar das pessoas terem tido experiências positivas que desconfirmariam as suas hipóteses de perigo, elas ainda assim continuam acreditando que o risco realmente existe. Isso acontece, porque na realidade acreditam que saíram ilesas, pois anteciparam os riscos e tomaram as providências necessárias para que a “catástrofe” prevista não se efetivasse. Essas providências são chamadas de comportamento de busca de segurança.
No modelo cognitivo da emoção proposto por Aaron Beck em 1976, tem como base a ideia de que as emoções são o resultado da forma como processamos uma determinada situação, ou seja, pensamentos desencadeiam sentimentos, que por sua vez, conduzem a uma postura ou ação. O tratamento de uma pessoa ansiosa, portanto, implicaria na identificação das cognições resultantes na experiência de ansiedade, a fim de encontrar interpretações alternativas para cada hipótese de ameaça levando a uma flexibilização dos pensamentos que resulta na queda da ansiedade.
Cada indivíduo é responsável pelos seus atos, mas é importante observar que o se preocupar não é atestado de resolução de problemas, muito pelo contrário, pois a preocupação gera ansiedade pela impossibilidade de fazer uma previsão exata do futuro. Não há nada que se possa fazer para evitar uma eventualidade e o melhor seria não se preocupar.

Gostou? Compartilhe
Publicado em Blog | Com a tag , , , , , , , , | 1 comentário

Terapia Cognitivo-Comportamental no tratamento de crianças e adolescentes

ITC – INSTITUTO DE TERAPIA COGNITIVA
Apresenta o Workshop:

9 e 10 de setembro de 2011
Terapia Cognitivo-Comportamental no tratamento de crianças e adolescentes: estratégias clínicas e procedimentos cientificamente fundamentados
Prof. Dr. Philip C. Kendall, PhD, ABPP
Clínica de Transtornos de Ansiedade em Crianças e Adolescentes
Temple University, Philadelphia, EUA

ÚLTIMAS VAGAS!
Aproveite o parcelamento até 8 de setembro!

O Workshop oferecerá uma descrição inicial da teoria que orienta a intervenção clínica com crianças e adolescentes portadores de transtornos de ansiedade:

* Formas de apresentação dos transtornos de ansiedade.
* Visão geral da natureza, dos sintomas e da experiência da ansiedade, e de outros transtornos comuns em jovens.
* Aspectos da ansiedade relevantes ao trabalho clínico com crianças e adolescentes: fatores cognitivos, emocionais, comportamentais, familiares e parentais.
* Estratégias de intervenção clínica, empregadas pelo modelo da TCC no tratamento da ansiedade em jovens, incluindo sua aplicação a outros transtornos. Cada uma das estratégias será descrita em detalhe e ilustrada por (a) exemplos de casos clínicos, (b) amostras dos manuais de tratamento para as crianças que participam das intervenções, e (c) descrições contidas nos manuais de tratamento dos terapeutas.
* Apresentação e debate de vídeos de sessões reais e sessões com atores.
* Atividades de “role-play” (dramatizações) com pequenos grupos de participantes.
* Resultados de pesquisa que informam decisões práticas relacionadas ao oferecimento de serviços clínicos a jovens ansiosos.

Próximo ao final do Workshop, será apresentada uma amostra do programa de tratamento da TCC aplicado via computador, intitulado “Camp Cope-A-Lot”, que pode ser traduzido como “Acampamento do Enfrente-Muito”!
Destinado a profissionais, estudantes e residentes das áreas de Saúde e
Saúde Mental, psicopedagogos, pedagogos, educadores, fonoaudiólogos,
entre outros profissionais que trabalham com crianças e adolescentes.

Prof. Dr. Philip C. Kendall, PhD, ABPP
Professor (Distinguished University Professor) da Temple University, em Philadelphia, EUA, internacionalmente reconhecido como o maior expert no estudo e tratamento de transtornos de ansiedade em crianças e adolescentes. Seu currículo inclui mais de 450 publicações, entre as quais 30 livros e 20 manuais clínicos. Há mais de 25 anos vem produzindo com financiamento ininterrupto de várias agências de fomento à pesquisa. Em uma análise quantitativa de publicações, na categoria de citações, entre acadêmicos de universidades norte-americanas, figurou em 5º lugar entre os mais citados. Vem recebendo premiações prestigiosas, incluindo o Fellow do Center for Advanced Study in Behavioral Sciences e o primeiro Research Recognition Award concedido pela Anxiety Disorders Association of America. Atuou como Presidente de importantes associações, como a Society of Clinical Child and Adolescent Psychology (Division 53) da APA, e a Association for the Advancement of Behavior Therapy (AABT, atual ABCT). Recentemente, foi reconhecido pela ABCT por sua Outstanding Contribution by an Individual for Educational / Training Activities. Destaca-se também sua atuação como cientista, teórico, professor, líder administrativo e intelectual, em pesquisa e intervenção em áreas como: teoria, avaliação e tratamentos cognitivo-comportamentais; metodologia de pesquisa; e estudo, metodologia científica e conceituação de psicopatologias de crianças e adolescentes. É reconhecido por sua sensibilidade clínica, rigorosa metodologia de pesquisa, abordagens criativas e integrativas, e seu compromisso como mentor de milhares de pesquisadores e pós-graduandos através de quase três décadas de atuação acadêmica.
VALORES: à vista até 08/09
participantes: R$ 720 2x R$ 460
afiliados da ABPC: R$ 648 2x R$ 415
ex-alunos do ITC: R$ 580 2x R$ 384

Descontos para grupos: consulte-nos.

Local:
Hotel Braston São Paulo
Rua Martins Fontes, 330 – São Paulo, SP
Tel. (11) 3156-2401 / 3156-2402
www.braston.com

Tarifas promocionais com café da manhã
(para participantes e acompanhantes):
• R$ 170,00 em apartamento single
• R$ 200,00 em apartamento double

Estacionamento (diária):
• R$ 12,00 para hóspedes
• R$ 20,00 para avulsos
INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES:

http://www.itcbr.com/cursos_kendall.shtml

TEL: (11) 4083-2555

E-mail: coordenacao@itcbr.com
Aguardamos o prazer de contar com sua participação em nossas atividades.

Atenciosamente,
Ana Maria Martins Serra

ITC – INSTITUTO DE TERAPIA COGNITIVA
Av. Fagundes Filho, 145. Conjs.131/132. CEP: 04304-010 – São Paulo/SP
Site: http://www.itcbr.com | E-mail: contato@itcbr.com
Tel: (11) 4083.2555 | FAX: (11) 5081-1519
Acompanhe o ITC no Twitter

Gostou? Compartilhe
Publicado em Blog | Com a tag , , , , , , | 2 comentários

Os SPAMS da nossa mente

Algum tempo atrás minha amiga Adriana Roveroni fez um trocadilho com as palavras Pans e Spams. Adorei a idea e resolvi desenvolver o tema aqui no blog. No dia 18 de julho último foi feita uma passeata na cidade de Bauru para instruir as pessoas sobre a influência dos nossos pensamentos sobre as nossas emoções e comportamentos. Este dia foi escolhido para ser o dia Nacional de Combate aos PANS por ser o dia do nascimento do Prof Aaron Beck criador da Terapia Cognitiva. Muitos devem estar se perguntando, afinal, o que seriam PANS? Os PANS são os nossos pensamentos automáticos negativos. Como pensamentos automáticos não podemos evitá-los, mas podemos combatê-los. Todos nós temos esses tipos de pensamento apesar de muitas vezes nem percebermos. Geralmente observamos primeiro as nossas emoções do que os nossos pensamentos, apesar de existir uma primazia das nossas cognições sobre as nossas emoções e comportamentos. Por exemplo: vamos supor que ao levar uma fechada no trânsito você tenha sentido raiva. Se você se perguntar o porque sentiu raiva poderá chegar aos pensamentos: Quem ele pensa que é para dirigir assim? Ele pensa que é o dono da rua? Ele deveria ser mais civilizado. Ele deveria ter mais respeito pelos outros. Ele quase me bateu por nada, só para mostrar que é melhor do que eu? Provavelmente, com estes tipos de pensamento você poderia ir atrás do motorista o insultando, ou perseguindo, ou poderia tentar dar uma fechada nele provocando algum acidente.
Todos os pensamentos acima são PANS e precisam ser combatidos para a sua própria segurança. Os PANS são os SPAMS da nossa mente. O termo Spam é utilizado para denominar uma mensagem eletrônica não-solicitada enviada em massa, que pode muitas vezes conter vírus ou mensagens publicitárias indesejadas. Os PANS, assim como os SPAMS, apesar de indesejados são automáticos e inevitáveis. Porém ao reconhecê-los podemos deletá-los dos nossos emails sem precisarmos abri-los, antes que eles se tornem um vírus capaz de invadir e prejudicar o computador da nossa mente. Vamos imaginar uma situação que tivéssemos nos percebido tristes, irritados, raivosos ou ansiosos. Após a identificação da emoção negativa vamos nos perguntar o que pensamos, e por último descartamos os Pans ao avaliá-los prejudiciais. O grande desafio é entendermos que nem tudo o que pensamos é verdade, assim como nem todo email que recebemos é confiável, mesmo que tenha vindo de um remetente conhecido. Quem nos garante que o motorista que nos fechou no trânsito não estava com uma pessoa doente no carro, ou com alguma outra emergência ou problema que precisava ser resolvido rapidamente? Mesmo que ele seja um fominha no trânsito isso não significa que ele quer mostrar que é melhor que eu, pois ele nem me conhece. Seria mais realista eu pensar que eu gostaria que as pessoas fossem mais civilizadas do que pensar que o tal motorista “deveria” ser mais civilizado, pois eu não conheço a família dele e não tenho como julgar em que condições ele foi educado, mas mesmo que eu tivesse, eu não conseguiria controlar as reações dos outros indivíduos.
Os PANS e os SPAMS aparecem com grande freqüência, mas cabe a nós escolher o que fazer com eles. Eu pessoalmente gosto de deletá-los na sua maioria, caso eles estejam enchendo a nossa caixa sem nenhum benefício, e nos impedindo ou atrapalhando no recebimento de mensagens importantes, positivas e funcionais.

Gostou? Compartilhe
Publicado em Blog | Com a tag , , , , , , , , | Deixar um comentário

A arte da superação

Em maio deste ano concedi uma entrevista à revista Star para a reportagem de capa. O repórter Ronildo Jesus foi absolutamente feliz na escolha do tema para a reportagem: a superação. A reportagem ficou linda e por isso compartilho com vocês agora.a arte da superação reportagem

Superar obstáculos não é tarefa fácil, mas também não é impossível. Muitas pessoas se paralisam diante do difícil e traduzem o difícil em impossível o que é paralisante. Exemplos de pessoas que fizeram o contrário são mais raros mas exemplificam o poder da nossa mente sobre as nossas emoções e comportamentos. Se diante de um determinado evento entendemos que não há nada que se possa fazer para melhorar a situação, nos sentiremos tristes e provavelmente desmotivados para buscar alguma solução. Mas se eu pensar que isso é difícil e que eu vou fazer o meu melhor para sair dessa situação, eu provavelmente encontrarei motivação e força para melhorar a minha realidade. Pessoas que superaram dificuldades em algum momento decidiram não se dar por vencidas e com essa decisão encontram uma força descomunal para lutar. É preciso uma dose de otimismo associado a um desconforto com a própria condição.  É ter a certeza que se pode mais e se esforçar para isso. Um otimismo irrealista poderia até dar esperança, mas não dá motivação para a luta, enquanto que o pessimismo não proporciona nem esperança nem motivação. A dosagem certa é que promove o equilíbrio e a solução.

Gostou? Compartilhe
Publicado em Blog | 1 comentário