Os SPAMS da nossa mente

Algum tempo atrás minha amiga Adriana Roveroni fez um trocadilho com as palavras Pans e Spams. Adorei a idea e resolvi desenvolver o tema aqui no blog. No dia 18 de julho último foi feita uma passeata na cidade de Bauru para instruir as pessoas sobre a influência dos nossos pensamentos sobre as nossas emoções e comportamentos. Este dia foi escolhido para ser o dia Nacional de Combate aos PANS por ser o dia do nascimento do Prof Aaron Beck criador da Terapia Cognitiva. Muitos devem estar se perguntando, afinal, o que seriam PANS? Os PANS são os nossos pensamentos automáticos negativos. Como pensamentos automáticos não podemos evitá-los, mas podemos combatê-los. Todos nós temos esses tipos de pensamento apesar de muitas vezes nem percebermos. Geralmente observamos primeiro as nossas emoções do que os nossos pensamentos, apesar de existir uma primazia das nossas cognições sobre as nossas emoções e comportamentos. Por exemplo: vamos supor que ao levar uma fechada no trânsito você tenha sentido raiva. Se você se perguntar o porque sentiu raiva poderá chegar aos pensamentos: Quem ele pensa que é para dirigir assim? Ele pensa que é o dono da rua? Ele deveria ser mais civilizado. Ele deveria ter mais respeito pelos outros. Ele quase me bateu por nada, só para mostrar que é melhor do que eu? Provavelmente, com estes tipos de pensamento você poderia ir atrás do motorista o insultando, ou perseguindo, ou poderia tentar dar uma fechada nele provocando algum acidente.
Todos os pensamentos acima são PANS e precisam ser combatidos para a sua própria segurança. Os PANS são os SPAMS da nossa mente. O termo Spam é utilizado para denominar uma mensagem eletrônica não-solicitada enviada em massa, que pode muitas vezes conter vírus ou mensagens publicitárias indesejadas. Os PANS, assim como os SPAMS, apesar de indesejados são automáticos e inevitáveis. Porém ao reconhecê-los podemos deletá-los dos nossos emails sem precisarmos abri-los, antes que eles se tornem um vírus capaz de invadir e prejudicar o computador da nossa mente. Vamos imaginar uma situação que tivéssemos nos percebido tristes, irritados, raivosos ou ansiosos. Após a identificação da emoção negativa vamos nos perguntar o que pensamos, e por último descartamos os Pans ao avaliá-los prejudiciais. O grande desafio é entendermos que nem tudo o que pensamos é verdade, assim como nem todo email que recebemos é confiável, mesmo que tenha vindo de um remetente conhecido. Quem nos garante que o motorista que nos fechou no trânsito não estava com uma pessoa doente no carro, ou com alguma outra emergência ou problema que precisava ser resolvido rapidamente? Mesmo que ele seja um fominha no trânsito isso não significa que ele quer mostrar que é melhor que eu, pois ele nem me conhece. Seria mais realista eu pensar que eu gostaria que as pessoas fossem mais civilizadas do que pensar que o tal motorista “deveria” ser mais civilizado, pois eu não conheço a família dele e não tenho como julgar em que condições ele foi educado, mas mesmo que eu tivesse, eu não conseguiria controlar as reações dos outros indivíduos.
Os PANS e os SPAMS aparecem com grande freqüência, mas cabe a nós escolher o que fazer com eles. Eu pessoalmente gosto de deletá-los na sua maioria, caso eles estejam enchendo a nossa caixa sem nenhum benefício, e nos impedindo ou atrapalhando no recebimento de mensagens importantes, positivas e funcionais.

Gostou? Compartilhe
Esta entrada foi publicada em Blog e marcada com a tag , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *